Quando a dieta dispara a acne

Ainda que o cardápio não possa levar toda a culpa, uma nova pesquisa reforça o elo entre certos ingredientes com o pipocar de cravos e espinhas

A falta de sono ou fumo podem aumentar muito o estresse, o desequilíbrio hormonal, um estilo de vida sedentário e um cardápio repleto de alimentos ultraprocessados - ou seja, alimentos muito açucarados, refrigerantes, salsichas, lanches gordurosos, etc. Não há dúvida de que essa combinação terá um efeito negativo em todo o corpo, é claro, incluindo nosso maior órgão, a pele

A acne é apontada como a queixa mais comum nos consultórios dermatológicos do país, ocorrendo principalmente na adolescência devido às ebulições hormonais. No entanto, a prevalência entre a população adulta aumentou recentemente, especialmente entre as mulheres. Embora haja um forte componente genético por trás dessa situação, os hábitos alimentares ruins podem acabar refletindo na nossa pele.

A revisão de um estudo realizado por médicos da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) confirmou que o estilo de vida é a causa da chamada “acne em mulheres adultas”. "Por isso, o manejo exige diferentes estratégias para amenizar esse problema”, disse Ediléia Bagatin, dermatologista, chefe e coordenadora do departamento de cosméticos da Sociedade Brasileira de Dermatologista (SBD).

A acne é definida como uma doença crônica multifatorial que está relacionada às alterações na composição gordurosa liberada pelas glândulas sebáceas e ao aumento dessa produção. Essa falta de controle leva à proliferação da bactéria Dermabacterium acnes e ativa a resposta do nosso sistema imunológico - o resultado é a inflamação. Aparecem lesões, manchas de pus, inchaço e vermelhidão.

Mas as consequências vão além da estética: geralmente afeta a autoestima e a saúde mental, daí a urgência do tratamento.

Para isso, tudo funcionará por meio de sabonetes especiais e ajustes regulares, de remédios a loções. Não deve haver espaço para proibição e tabu. “Ao contrário do que muitos pensam, o chocolate não precisa ser abolido”, exemplifica Máira Astur, dermatologista da Unifesp. Em um ambiente equilibrado e cheio de boas escolhas, tem lugar para doces. Os médicos acreditam que é essencial dissipar mitos e evitar generalizações. “A prescrição é personalizada, com base no exame e na sensibilidade de cada paciente”, defendeu.

Embora a literatura científica resuma dezenas de evidências, o fato é que quando o problema se refere especificamente aos efeitos dos padrões alimentares em nossa pele, a controvérsia ainda existe. Para a pesquisa, batizada de NutriNet-Santé, 24 452 voluntários completaram um questionário online. Eles responderam sobre a ocorrência de espinhas no passado e no presente e ainda detalharam seus hábitos à mesa. É o que os experts chamam de estudo observacional, que ajuda a levantar hipóteses.

Quando especialistas falam sobre alimentos que pioram a acne, a primeira coisa a mencionar é o chocolate - não é por acaso que a Dra. Máira o usa como exemplo. Bem, os derivados do cacau são controversos.

Para quem engole muito, as consequências diante do espelho são realmente desagradáveis. No entanto, você pode usar pequenas doses em sua vida diária. Outra dica é dar preferência ao tipo mais amargo. A médica Marcella Garcez, da Associação Brasileira de Nutrição (Abran), recomenda fórmulas que contenham pelo menos 70% de cacau - são as que concentram mais substâncias protetoras.